Área da Renca, entre Amapá e Pará, tem trauma de projetos grandiosos

Emancipada há 30 anos, Laranjal do Jari (AP) existe por causa do Projeto Jari, um dos mais mirabolantes da Amazônia, comparável apenas à Fordlândia (PA) – fracassada tentativa de produzir borracha para a fábrica de automóveis na primeira metade do século 20

Há quatro meses, cerca de 500 funcionários indiretos foram dispensados da Jari Celulose, a maior empresa da região. Concluída em 2014, a usina hidrelétrica Santo Antonio do Jari, chegou a empregar 2.600 trabalhadores, mas hoje funciona com 30 pessoas e é acusada de ter deixado ribeirinhos sem água e luz.

Em agosto, o governo Temer anunciou a extinção da Renca (Reserva Nacional do Cobre Associados) –o presidente adiou por 120 dias a medida, que também é contestada na Justiça, com o intuito de abrir a região para investimentos privados de mineração. A notícia pegou de surpresa Laranjal do Jari, maior cidade de uma região traumatizada por grandes empreendimentos.

Leia na íntegra:

Folha de S. Paulo

Outras Notícias

EM SINTONIA COM A NATUREZA

No Programa de hoje, a professora Sônia Lucena, Nutricionista e membro da ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Co...

EM SINTONIA COM A NATUREZA

No Programa de hoje, o professor Jorge Tavares, Engenheiro Agrônomo e doutor em Agroecologia, fala sobre a importânci...