Em um mês, o equivalente a 5 mil campos de futebol foram desmatados na Bacia do Xingu

Destruição da floresta é resultado da abertura de áreas para garimpo, exploração agropecuária e grilagem de terras

O ritmo de desmatamento em março aumentou na Bacia do Xingu. Mesmo no inverno amazônico, debaixo de forte chuva, 5.238 hectares de vegetação natural foram destruídas em apenas um mês para exploração garimpeira, grilagem de terras, pecuária e a conversão de áreas de manejo florestal em lavoura de grãos.

Dividida entre os estados do Mato Grosso e o Pará, os padrões de desmatamento da Bacia do Xingu são distintos mas seguem a mesma tendência: polígonos menores na porção paraense, indicando incidência de garimpo e grilagem, e polígonos maiores no Mato Grosso, fruto da monocultura agropecuária.

A destruição de florestas no interior das áreas protegidas preocupa. No Pará, 86% do desmatamento aconteceu nessas regiões: dos 1.609 hectares derrubados no período, 492 foram em Terras Indígenas e 900 em Unidades de Conservação. “Esses números indicam a tendência do desmatamento de penetrar nessas áreas face ao esgotamento dos recursos nas demais regiões”, alerta Juan Doblas, assessor do ISA.

Os dados foram detectados pelo Sirad X, o novo sistema de monitoramento de desmatamento do ISA. [Saiba mais no Boletim nº2]

Campeã de desmatamento

A Área de Proteção Ambiental (APA) Triunfo do Xingu, no Pará, foi a área protegida mais desmatada no período. Ao todo, foram 900 hectares destruídos em março para abertura de pasto para pecuária, que se somam aos mais de 550 detectados em janeiro e fevereiro. O município de São Félix do Xingu, onde a UC incide, tem o maior rebanho bovino do Brasil e a APA constitui uma enorme reserva de recursos. A região possui o triste registro de ser a Unidade de Conservação mais desmatada no Brasil nos últimos anos.

A APA vem sendo desmatada de forma cada vez mais intensa - em sintonia com o aumento das exportações brasileiras de carne e o fortalecimento das grandes cadeias de frigoríficos. O maior polígono desmatado detectado em março, de mais de 800 hectares, indica um investimento mínimo de R$1 milhão só para realizar a derrubada da floresta.

A área, no entanto, não possui zoneamento nem plano de manejo. As operações de fiscalização, apesar de serem pontualmente efetivas, não conseguem estancar o desmatamento que vem crescendo de forma assustadora.

Terras Indígenas em perigo

Foi registrado um grande desmatamento no interior da Terra Indígena Trincheira-Bacajá, do povo Mebengokre Kayapo. Foram mais de 350 hectares, abertos por um grupo vindo do município de Pacajá, no Pará. “É especialmente preocupante pois revela a enorme sensação de impunidade em relação ao crime ambiental na região”, atenta Doblas.

É igualmente preocupante a extensão das áreas de garimpo na TI Kayapó [Saiba mais]. Os garimpeiros não mostram sinais de recuo e estão atingindo novas áreas, contaminando rios e colocando a saúde da população indígena em perigo. Em março, foram detectadas mais 34 áreas novas áreas de garimpo. A elevada cotação do ouro no mercado internacional sustenta essa atividade de forte risco e que implica em enormes prejuízos ambientais.

Texto retirado do site: https://www.socioambiental.org/pt-br

Outras Notícias

Assim é a ‘sopa de plástico’ que asfixia o mundo

Plastiglomerado. Esse é o nome oficial de um novo mineral que não existia antes na natureza, mas agora se tornou freq...

Justiça suspende reintegração de posse de área ocupada por indígenas no norte da Bahia

Justiça Federal revogou a decisão que determinou a reintegração de posse de um terreno localizado às margens do Rio S...