O programa vai ao ar às 6h com reprise às 18h (uma hora depois nos locais com horário de verão)

Plantas de poder

Peiote (Lophophora williamsii) é um pequeno cacto cuja região nativa estende-se do sudoeste dos Estados Unidos (incluindo os estados do Texas e Novo México) até o centro do México. Tem sido usado por séculos pelos efeitos psicodélicos experimentados quando ingerido.

O cacto floresce esporadicamente, produzindo uma pequena fruta cor-de-rosa, similar na aparência a uma pimenta, que pode ser detectável e testada quando comida. As sementes são pequenas e pretas, requerendo um habitat quente e úmido para germinar, uma das razões para essa planta estar tornando-se rara em seu habitat natural. A quantidade está se reduzindo devido à colheita para finalidades comerciais. O peiote contém um espectro grande dos alcalóides da fenetilamina, dos quais o principal é a mescalina. Todas as espécies de Lophophora têm um cultivo extremamente lento, podendo levar frequentemente até trinta anos para chegar à idade de florescimento na natureza (aproximadamente com o tamanho de uma bola de golfe, não incluindo a raiz). Os espécimes cultivados crescem consideravelmente mais rápido, geralmente levando de seis a dez anos para evoluir da semente até a fase adulta, seguida do florescimento. Devido a esse crescimento lento e à frequente colheita por coletores, o peiote é considerado uma espécie em extinção na natureza.

A parte superior do cacto (que fica em cima da terra), também chamado de coroa, consiste em botões que podem ser cortados das raízes e secados. Quando cortados corretamente, novos brotos crescerão eventualmente. Quando utilizada uma técnica errada na colheita, a raiz é danificada e a planta morre. Esses botões podem ser mastigados ou podem ser fervidos na água para produzir um chá psicoativo. A infusão resulta para o usuário, na maioria dos casos, em experiências com gosto extremamente amargo e algum grau de náusea antes do início dos efeitos psicodélicos. mastigadoIsso é considerado completamente normal, de acordo com usuários e historiadores experientes.

A dose eficaz para a mescalina é de 300 a 500 mg (equivalente a aproximadamente 5 gramas do peiote seco) e os efeitos duram aproximadamente de 10 a 12 horas. Quando combinado com o lugar e o ambiente apropriados, o peiote é levado a um estado de introspecção profundo, descrito como sendo de uma natureza espiritual. Às vezes, esses podem ser acompanhados por ricos efeitos visuais ou auditivos (tipo sinestesia). A menos que a experiência aconteça em um contexto cerimonial conduzido por um "peyotero" com muita experiência, similar a um xamã, recomenda-se, para a segurança, que o usuário esteja acompanhado em todas as vezes por alguém que não tenha utilizado a mesma dose. Essa pessoa é consultada como se fosse um "guia" de viagem. Apesar de que vem sendo estudado por médicos e psicólogos desde finais do século XIX, a exemplo de Havelock Ellis (1859 - 1939), experiências psicoterapêuticas utilizando seus alcalóides ou rituais ainda estão em fase experimental.

Desde os tempos mais antigos, o peiote foi usado por povos indígenas, tais como os huichol do norte do México e os Navajos no Sudoeste dos Estados Unidos, como uma parte dos rituais religiosos tradicionais. No século XIX, a tradição começou a se espalhar como forma de reviver a espiritualidade nativa, e utiliza-se para combater o alcoolismo e outros males sociais. A Igreja Americana Nativa é uma entre diversas organizações religiosas que usam o peiote como parte de sua prática religiosa.

O uso da mescalina popularizou-se nos anos 1970 entre clientes dos trabalhos avançados do escritor Carlos Castañeda. Don Juan Matus, o pseudônimo para o instrutor de Castañeda no uso do peiote, usou o nome "Mescalito" para se referir a uma entidade que possa ser detectada por aquelas que usam o peiote como forma de introspecção e de compreender como viver a própria vida. Certos trabalhos mais atrasados de Castañeda afirmaram que o uso de tais substâncias psicotrópicas não era necessário para conseguir a introspecção. A escrita de Castañeda foi desacreditada pela maior parte das pesquisas antropológicas sérias e é considerada geralmente como ficção alegórica.

Outras Notícias

EM SINTONIA COM A NATUREZA

No Programa de hoje, a professora Sônia Lucena, Nutricionista e membro da ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Co...

EM SINTONIA COM A NATUREZA

No Programa de hoje, o professor Jorge Tavares, Engenheiro Agrônomo e doutor em Agroecologia, fala sobre a importânci...